NOTÍCIAS E ARTIGOS

O Paparazzi a Campus Parie

Imprimir

Morro de rir (e/ou de chorar) cada vez que vejo gente da TV ou do rádio se descabelar para pronunciar palavras inglesas e, ao mesmo tempo, não dedicar o mesmo cuidado a palavras de outras línguas. Será que cabe aqui o pensamento de outro grande Mestre, Nélson Rodrigues, que falava do nosso complexo de vira-lata?

No último domingo terminou em São Paulo a Campus Party, evento dedicado às últimas novidades da informática etc. Muitos profissionais da TV e do rádio tentaram pronunciar à inglesa (ou terá sido à estadunidense?) o nome do evento, ou melhor, o segundo nome do evento — "party", que virou algo como "párie" ou "pári", com o "r" um tanto frouxo. O que intriga é que a primeira palavra ("campus") não foi lida como a pronunciam os anglófonos, mas como a diz qualquer brasileiro...

Não tenho rigorosamente nada contra a pronúncia ou a tentativa de pronúncia correta de palavras estrangeiras, desde que isso valha, pelo menos, para as línguas que têm alfabeto semelhante ao nosso. Quando ouço na TV ou no rádio alguém referir-se ao ainda presidente do Chile como se ele fosse inglês ou estadunidense, vejo que se altera a "regra". O chileno SebastiÁn é SebastiÁn; não é SebÁstian (Piñera).

Vejamos o caso da já universal palavra italiana "paparazzo". É comum ouvir-se alguém dizer "um paparazzi", o que, ao pé da letra, é a combinação de um termo português no singular ("um") com um italiano no plural ("paparazzi" é plural de "paparazzo"). Detalhe: por aqui, o grupo "zz" é lido como se lê o "z" do português; em italiano, isso equivale a algo como "ts" ("paparatso", no singular, e "paparátsi", no plural).

Ora, quem é que tem obrigação de saber como se faz o plural e como se pronuncia o "z" na língua de Dante? Não é por acaso que, em português, usamos no singular (e com acento agudo) a dicionarizadíssima palavra "ravióli", que, em italiano, não tem acento e é do plural ("ravioli" é o plural de "raviolo"). Em português, o plural, mais que lógico, é "raviólis".

Por que será que "subvertemos" a morfologia e a pronúncia do italiano (e de outras línguas), mas nos esforçamos loucamente para não derrapar no bendito inglês? Será que argentinos e espanhóis agem melhor do que nós quando simplesmente pronunciam tudo à espanhola? É famosa a história de um brasileiro que entrou numa loja em Madri e pediu um CD do U2 (com pronúncia à inglesa). O vendedor franziu a testa e disse que desconhecia o artista. O nosso patrício não se fez de rogado e saiu sozinho à caça do CD. Quando encontrou os discos do grupo irlandês, apanhou um CD e mostrou-o ao vendedor, que, de imediato, exclamou _em espanhol, é claro: "Ah! Usted queria U Dos?!". Sim, argentinos e espanhóis dizem "U Dos".

Nem 8 nem 80, creio, mas essa coisa mais do que chata de anglicizar a pronúncia de tudo e mais um pouco já deu o que tinha de dar, não acha? Que mal teria causado pronunciar "Campus Party" sem a ridícula frescura anglicizante? No dia em que pararem de chamar o ex-jogador italiano Paolo (que se lê "Páolo") Rossi de "Paôlo" talvez diminua o incômodo causado por bobagens como a "Campus Párie". É isso.

Notícias News
Vozes de Minas

O monumental Eça de Queirós dizia que tinha obrigação de falar mu...
2014-02-06 - BLOG
Ele é o ministro das Finanças, mas não estudou economia. Estudou ...
2014-02-06 - BLOG

CONTATO
Ligue / Contrate

Vozes de Minas
Associação dos Profissionais da Voz

Endereço: Rua Itália, 81, Bairro Nova Floresta, Belo Horizonte - MG
Cep: 31.160-460
Fone: (31) 3421 7591 | (31) 9107 7741

Desenvolvido por InSite Comunicação e Marketing Digital.

INSITE